domingo, 23 de dezembro de 2007

"Viver é muito bom"

Estava acessando o blog de Ricardo Gondim (uma referência no meio evangélico nacional de honestidade intelectual, capacidade crítica, amor, tolerância...) e vi o texto "Viver é muito bom". Abaixo tem uns trechos:

Viver é tão prazeroso que dá vontade de continuar, continuar. Sofro, como todo mundo, mas as minhas dores, decepções e frustrações ainda não foram fortes o suficiente para me desmotivar. Quando pareço zangado, minha veemência não nasce de amarguras, mas da inquietação espiritual de perceber que as coisas não caminham como deveriam.

Gosto de viver, ninguém se engane. Só não quero camuflar minhas dores “porque um líder religioso não pode expor suas inquietações publicamente”. Faço eco às palavras do Fernando Pessoa: “Arre, estou farto de semi-deuses!”. Quando escancarar os porões de minha alma, não desejo fazer tipo ou posar de “autêntico”. Faço “literatura tempestiva” (considero que sites e blogs como um novo tipo de literatura, a “tempestiva”) sem envernizar o texto, sem lapidar os conceitos e sem temer escrúpulos e censuras ideológicas. Sento diante do computador como terapia; quando escrevo, de certa maneira, lavo a alma, expulso falsos demônios e alvejo antigos dilemas encardidos.

Gosto de viver, só não quero acostumar-me com as desigualdades econômicas. Não aceito que um artista, atleta ou empresário ganhe mais do que uma nação inteira. Se pareço meio irritadiço é porque não acho que uma bolsa feminina custe o salário anual de um trabalhador. Uma xícara de café não pode valer mais do que um dia suado de um camponês. Por favor, não me peçam para continuar com o discurso pequeno burguês dos evangélicos brasileiros de que esses desmantelos fazem parte de um plano misterioso (maravilhoso?) de Deus que condena milhões de crianças a uma sub-existência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você poderá gostar também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...